A espiritualidade é um tema complexo, composto por fios e tramas que nem sempre são fáceis de enxergar. São forças invisíveis ou intangíveis, que nem sempre são fáceis de serem analisadas.

Além disso, a própria ciência permanecia distante da espiritualidade, pois as ‘verdades’ espirituais eram relegadas às esferas da religião e da metafísica e encontravam (ou ainda encontram) pouca ressonância no campo das ciências. Quando a ciência se afastou da espiritualidade, sua missão se modificou drasticamente. Em vez de tentar entender a ordem natural, para que os seres humanos pudessem viver em harmonia, passou a tentar controlar a natureza. 

Essa visão reducionista do papel do ser humano no ambiente organizacional tem mudado. A mudança ocorre de forma lenta e gradativa, é verdade. Mas tem mudado. Cada vez mais as pessoas querem saber sobre as implicações da espiritualidade em seu trabalho. Essas implicações são diversas e não se limitam ao universo individual do ser humano.

A espiritualidade também contribui para a imagem social da organização, ao estimular que seus colaboradores adotem ações voltadas para o bem-comum, para a preservação do meio ambiente; contribuem para uma maior integração da empresa com a comunidade local, com seu país e com o planeta como um todo, fornecendo uma imagem positiva da organização para além da prestação do serviço1.

Não é possível afirmar que a espiritualidade é um conceito vinculado única e exclusivamente ao espiritual. Enquanto alguns conceitos de espiritualidade reforçam a crença no mundo espiritual, outros conceitos estão mais ligados à crença na força intelectual e à fé que a pessoa deposita em si mesma. Da mesma forma, a espiritualidade não se refere exclusivamente à religião, visto que não é obrigatório se ter religião para se ter espiritualidade2.

O fato é que espiritualidade e religião não são sinônimos.

  • A espiritualidade é a crença que uma pessoa ou grupo de pessoas possuem e que orienta suas atitudes3;
  • Religião são as práticas que o indivíduo ou grupos de indivíduos realizam para exercitar essa crença, são os rituais que permeiam a vivência da espiritualidade4.

A questão é que precisamos mudar a nossa mentalidade no que diz respeito à espiritualidade, pois a espiritualidade organizacional tem como grande benefício tornar palpável o que ainda reside em um âmbito invisível. É trazer o espiritual para o natural. É fazer com que as pessoas não sejam guiadas pelo impulso ou reações físicas, mas sim pelos seus valores e crenças (sentidos espirituais)5.

Verdade seja dita, o tema é complexo e polêmico. Mas, uma coisa é inegável: pessoas espiritualizadas tornam o ambiente de trabalho melhor. E é nas organizações cujo ambiente de trabalho é bom que as pessoas querem trabalhar, aprender e crescer. É lá que querem passar sua vida profissional e é lá que serão mais produtivas!

_______________________________________________________

1SANTARÉM, R. A perfeita alegria: Francisco de Assis para líderes e gestores. Rio de Janeiro: Vozes. 2010.

2PEDRO, V. D. A espiritualidade nos voluntários. 2015. 66f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Escola de Psicologia e Ciência da Vida, Lisboa. 2015.

3LACERDA, D. O líder espiritualizado. Revista Você S. A. v. 22. 2005.

4GUILLORY, William. A empresa viva: espiritualidade no local de trabalho. São Paulo: Cultrix. 2000.

5LIPTON, Bruce H. A biologia da crença. São Paulo: Butterfly, 2007.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.