Muito tem se falado sobre vocação e propósito no sentido de que esta tem que ser a principal busca de nossas vidas. Como se as pessoas que não encontrarem ou viverem sua vocação e propósito estivessem condenadas a uma vida sem sentido.

Mas, eu não concordo com essa “pressão” e entendo que a vocação e o propósito são duas coisas muito simples e que já fazem parte das nossas vidas. Basta deixarmos mais claro do que se trata.

Vocação e propósito são duas palavras que estão intimamente ligadas, cujos significados muitas vezes até se misturam. Mas, apesar desta similaridade entre os conceitos, é comum observar que muitas pessoas desconhecem sua vocação e, por consequência, o seu propósito.

Vocação é um termo que se origina do latim vocare, que quer dizer “chamado”. É uma força interna que leva as pessoas a exercerem uma determinada atividade – profissional ou não – por conta da habilidade que a pessoa tem em exercê-la ou pelo fato desta atividade fazer muito sentido para a pessoa que a realiza.

É justamente ao atender a este chamado e colocar em prática a sua vocação que a pessoa afirma ter encontrado seu propósito, que nada mais é do que a realização da sua vocação. É quando a pessoa passa a exercer algo em sua vida que a realiza.

Acredito que todas as pessoas estão dotadas de uma vocação e assim, por consequência, podem alcançar o seu propósito. Só que eu vejo também que há dois pontos fundamentais que muitas vezes atrapalham a nossa busca por essa realização:

  • Nós procuramos pelo propósito e não pela vocação: já que o propósito é a aplicação prática da nossa vocação, é correto afirmar que o propósito é uma consequência da vocação. Nesse sentido, vocação é algo interior, é algo que já está conosco e que não precisamos procurar. Basta descobrir (des-cobrir: tirar o que nos cobre), deixar aflorar. Como o propósito é a aplicação prática da nossa vocação, ele está “fora” das pessoas e esse passa a ser o nosso erro mais comum, pois procuramos no ambiente ao nosso redor e nas outras pessoas algo que somente podemos encontrar dentro de nós mesmos;
  • Acreditamos que o propósito tem a ver com trabalho: apesar de que em muitos casos a nossa vocação e o nosso propósito estarem intimamente ligados à nossa carreira ou alguma atividade voluntária, nem sempre o propósito está ligado a um trabalho. Às vezes – diria até que na maioria das vezes –, o propósito não está em “fazer”, mas sim em “ser”. E diante disso eu acredito que a vocação mais fundamental para a qual todos são chamados é o de “ser humano”. Ser uma boa influência e um bom exemplo para as demais pessoas. Esta característica de comportamento está acessível para todos e serve como base para todo o restante.

A vocação e o propósito já estão conosco. Podemos exercê-las em qualquer profissão, em qualquer contexto, independentemente da posição que ocupamos e de quantas pessoas alcançamos.

E quando isso passa a fazer sentido na vida das pessoas começamos a perceber que para que a gente coloque em prática o nosso propósito bastam pequenas atitudes que podem influenciar positivamente a vida das pessoas que estão ao nosso redor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.