Pontes são estratégicas porque unem duas margens: a margem onde estamos, que é o nosso estado atual, e a outra margem, que é o futuro, aonde queremos chegar.

Mas, na maioria das vezes, a ponte que precisamos atravessar para chegarmos na outra margem não está pronta. Precisamos construí-la!

E essa é uma etapa que acaba fazendo com que muita gente desista de chegar ao outro lado, afinal, construir uma ponte dá trabalho e leva tempo.

É mais fácil trilharmos os caminhos já prontos e cruzarmos as pontes que alguém já fez. Só que assim, acabamos esquecendo que as pontes que já foram construídas e os caminhos que já estão prontos irão nos levar somente aos lugares em que alguém já esteve.

Não haverá novidades e não seremos os primeiros porque alguém já percorreu esse caminho antes. Alguém já teve a coragem de construir a sua ponte para chegar aonde desejava e assim nós acabaremos chegando no destino traçado por outras pessoas, não por nós.

Então, decidimos construir a nossa própria ponte para escrevermos nossa própria história e chegarmos aos lugares que desejamos. Mas, pode ser que a gente não saiba como construir uma ponte.

Pode ser que a gente não saiba como começar e quais são os recursos necessários para construí-la. Mais ainda: pode ser que a gente ache que não está pronto para fazer essa obra. Essas dúvidas são naturais e, se pararmos para pensar bem, nos acompanham ao longo de toda nossa vida.

Crianças costumam vacilar e cair quando arriscam seus primeiros passos ou aprendem a andar de bicicleta. Mas, dificilmente uma criança afirma para si mesma que não está pronta. Ela simplesmente vai em frente.

Quando chegamos à vida adulta estamos impregnados de medos e precauções produzidos pelo nosso senso de autopreservação. Às vezes, é isso que nos mantêm vivos e nos previne de problemas mais sérios, mas é isso que às vezes também nos bloqueia e nos mantêm numa zona de conforto duradoura.

São esses os bloqueios que precisamos vencer para construir a ponte que leva à margem onde está tudo aquilo que a gente deseja alcançar e realizar.

Mas, se não sabemos por onde começar, quais recursos vamos precisar e como devemos construir a ponte, o que precisamos fazer é muito simples: perguntar a nós mesmos quem pode nos ajudar nessa missão.

Essa pergunta é poderosa porque quando manifestamos nossa intenção de colocarmos em prática nossos projetos para alcançarmos nossos objetivos, várias pessoas irão se aproximar para nos ajudar.

Essas pessoas estão ao nosso redor. Já construíram suas pontes ou simplesmente querem estar ao nosso lado para nos auxiliar em nossos projetos. Elas foram atraídas pela nossa proatividade e desejo de crescimento.

Eventualmente, acabamos atraindo também pessoas que querem somente se aproveitar da ponte para chegar a algum lugar, qualquer lugar. Não há problema nisso, afinal, quando uma ponte é construída acaba ficando para a posteridade, para as pessoas que querem chegar ao mesmo lugar em que nós chegamos.

E o mais legal de tudo é que quando terminamos a construção e cruzamos nossa ponte, além de uma grande sensação de realização, acabamos nos dando conta de que estamos diferentes.

Estamos mais maduros e mais experientes, prontos para receber e aproveitar o que nos aguarda na outra margem. Isso é natural, pois enquanto construímos nossa ponte construímos a nós mesmos. Somos moldados pelos desafios que encontramos no caminho.

Agora, estamos prontos para ajudar outras pessoas a construírem suas pontes. Há muita gente com os mesmos sonhos, mas sem saber por onde começar o seu empreendimento. Essa é uma das características da liderança: aprender e evoluir para que possamos ensinar e estimular o crescimento de outras pessoas.

Por conta disso, muitas pessoas são lembradas como grandes líderes.

Com informações do livro “Desenvolvimento Humano, Liderança e Gestão: 50 textos para refletir, comentar e compartilhar”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.