• 5ª Temporada
  • A Temporada que Vai Virar Livro!

  • Em 2016, eu lancei o meu primeiro livro, os 50 textos, que, como o próprio nome diz, é uma coletânea de textos sobre desenvolvimento humano, liderança e gestão. As pessoas começaram a me perguntar quando eu iria lançar a nova versão dos 50 textos. Pois bem, nada como unir o útil ao agradável, não é mesmo? Em outras palavras, os episódios da 5ª. temporada servirão como base para os 50 textos do meu próximo livro sobre desenvolvimento humano, liderança e gestão.

  • Ouça todos os episódios desta temporada!

130 – Para quem quer mudar de emprego ou carreira

Mudanças precisam ser planejadas para que a gente aumente a probabilidade de sucesso naquilo que estamos prestes a mudar. As mudanças de emprego ou carreira estão entre as mais procuradas e desejadas e, infelizmente, essa mudança também ocupa a lista das que são menos planejadas. Significa dizer que mudanças de emprego ou carreira de forma abrupta ou não planejada podem parecer mais com uma fuga do que com uma mudança. Por isso que eu recomendo que a gente reflita sobre algumas questões básicas antes de fazer esta mudança.

Se você preferir, pode assinar este podcast e ouvir em sua plataforma preferida:

Outros episódios que você pode gostar

Transcrição do episódio "130 – Para quem quer mudar de emprego ou carreira"

Olá, pessoal! Meu nome é Fabiano Goldacker. Sou Coach Executivo da Ponte ao Futuro.

PARA QUEM QUER MUDAR DE EMPREGO OU CARREIRA

Não raro encontramos profissionais insatisfeitos com as suas carreiras. E não é para menos, pois fazer aquilo que gostamos é um dos pressupostos para sermos bem-sucedidos. Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia e publicado pela Revista Melhor – Gestão de Pessoas deixou isso ainda mais claro. A pesquisa identificou que um trabalhador feliz é, em média, 31% mais produtivo, três vezes mais criativo e vende 37% a mais em comparação com outros. Além disso, ele acaba motivado a atender melhor o cliente, evitar acidentes no trabalho e reduzir desperdícios.

Mas eu tenho uma pergunta: será que todo mundo é feliz no trabalho? Nesse momento você também deve estar se questionando se a tal felicidade no trabalho é, de fato, algo possível de ser conquistado. Você também deve estar se perguntando se eu tenho dúvidas a respeito da existência da felicidade no trabalho. Ambas perguntas têm sentido e a resposta para elas é sim. Só que eu preciso explicar o porquê dessa indagação. Antes de mais nada, é preciso que você saiba qual é o seu conceito de felicidade. Felicidade é algo muito subjetivo e contextual e o que pode deixar uma pessoa feliz não necessariamente irá fazer outra pessoa feliz naquele momento. 

Outra pesquisa, feita Harvard Business Review e publicada pela revista Época Negócios, aponta que a busca pelo propósito faz mais sentido do que a busca pela felicidade no trabalho. Tema interessante, sem dúvida, ainda mais quando descobrimos que as pessoas que participaram da pesquisa afirmaram que o propósito é algo mais prioritário do que a felicidade no trabalho pelo fato de o propósito ser mais perene, mais estável do que a sensação de felicidade. Quando perguntadas sobre o que significa o propósito, as pessoas responderam que o propósito é ver sentido no trabalho que realizam. Não tem a ver com ocupar altos cargos estratégicos ou fazer aquilo que sempre sonharam. Muito pelo contrário, tem a ver com algo mais simples: ter a certeza de que o seu trabalho está sendo útil, que faz a diferença para as pessoas e para a empresa e, principalmente, que é realizado em um bom ambiente.

Essa abordagem não é nova e nós já falamos sobre esse tema aqui no Coachitório Online lá no episódio #125, quando falamos sobre a hierarquia das necessidades. Eu comentei que nos anos 1940, um psicólogo chamado Abraham Maslow divulgou seus estudos sobre a hierarquia das necessidades do ser humano. Os estudos de Maslow deixavam claro que o ápice da realização pessoal não tem a ver com o dinheiro ou sucesso financeiro, mas sim com o propósito. Pessoas ricas podem encontrar o seu propósito, mas a riqueza não é condição essencial para que isso ocorra. 

Isso me faz imaginar que os dias de hoje têm realmente provocado uma mudança importante naquilo que chamamos de vida profissional ou carreira. Me parece correto afirmar que a teoria de Maslow está cada vez mais presente na vida da gente. Claro que a maior parte das pessoas nunca ouviu falar de Abraham Maslow ou da pirâmide da hierarquia das necessidades, mas isso não quer dizer que ela não faça sentido para nossas vidas. 

Toda essa conversa sobre ter as nossas necessidades organizadas sob a forma de uma hierarquia ou de uma pirâmide que aponta as nossas prioridades me faz lembrar de outra pirâmide, a Pirâmide do Propósito. Nós falamos sobre essa pirâmide lá no episódio #52 do Coachitório Online. Imagine uma pirâmide composta por cinco níveis, cinco camadas. Lá na base da pirâmide está o autoconhecimento. Como diz aquela frase escrita no Templo de Delfos, da Antiga Grécia: “conhece-te a ti mesmo!” Esse é o efeito do autoconhecimento e é a primeira etapa do nosso processo de evolução comportamental.

Na segunda camada da pirâmide, na segunda etapa, está o “conhecer melhor as pessoas”. Você já reparou que conhecer a si mesmo ajuda muito a conhecer melhor as outras pessoas? Imagine o seguinte: você comprou um carro, de uma determinada cor e modelo. Já reparou que, num passe de mágica, você começa a notar que existem vários outros carros iguais andando na rua? Essa reação é normal e se explica pelo fato de que nós temos a tendência de identificar nas outras pessoas as características que estão mais presentes em nós mesmos.

Isso só acontece por meio do autoconhecimento e, a partir do momento em que conhecemos melhor a nós mesmos é bem provável que iremos respeitar muito mais as outras pessoas. O respeito ao próximo é a terceira etapa dessa caminhada e esse respeito acontecerá somente quando eu conheço a mim mesmo, conheço a outra pessoa e isso faz com que eu respeite o outro porque eu entendo que a sua forma de agir e pensar tem a ver com o seu perfil.

Daí nós vamos para a próxima etapa desse processo de evolução. Essa etapa acontece quando você, de repente, descobre que gosta do que faz. Muita gente adora o seu trabalho e eu estou falando aqui de trabalhos como os nossos, normais e corriqueiros que, para muita gente, podem parecer chatos. Quando eu pergunto porque uma pessoa gosta do seu trabalho, geralmente as respostas têm a ver com as outras pessoas que ela encontra no seu ambiente de trabalho. E aqui ocorre uma descoberta: elas não gostam do trabalho que fazem. Gostam das pessoas que elas encontram no lugar onde trabalham. Vou repetir: elas gostam das pessoas que encontram no lugar onde elas fazem o que fazem e, assim, gostam do seu trabalho. Se identificar com as pessoas que a gente encontra no lugar onde estamos ou trabalhamos é muito importante para nos conectarmos com a atividade, com o trabalho em si.

É uma descoberta e tanto, não é mesmo? E isso nos leva à última etapa desse processo de autodesenvolvimento: gostar do que faz. Com o tempo, reforçamos o conhecimento de nós mesmos, das outras pessoas, o respeito pelo outro e a noção do quanto as pessoas são importantes para criar um ambiente positivo, que faz com que a gente goste do trabalho. Quando isso acontece, podemos afirmar que fazemos o que gostamos. Passamos a escolher a carreira, o trabalho, com base no ambiente e nas relações. Ou seja, com base nas pessoas. Costumo dizer que, ao chegar nessa fase, estamos perto de alcançar o nosso propósito.

É justo que você queira saber qual é a relação entre a Pirâmide de Maslow e a Pirâmide do Propósito com a mudança de carreira. Pois bem, a resposta é simples: as pessoas não deixam as empresas. Deixam o ambiente em que trabalham. Essa afirmação é importante, pois uma pesquisa feita pela fundação Great Place to Work (GPTW) mostrou que um contingente significativo de pessoas pede demissão de seus trabalhos apenas para trocar de chefe.

Embora seja um motivo importante, eu defendo que mudança de carreira ou trabalho deve ser algo planejado, caso contrário não é mudança. É fuga. Quem pede demissão de uma empresa para se ver livre de um chefe ou colega de trabalho tóxico corre o risco de entrar em outro ambiente de trabalho e, adivinhe só, acabar encontrando outro chefe ou colegas de trabalho tóxicos. Então eu sugiro que você reflita sobre a sua carreira ou trabalho e, caso desejar promover a mudança, que ela seja planejada. Para começar, convido você a olhar para a matriz de planejamento de mudança de carreira que utilizamos em nossos processos de Coaching. As perguntas são simples, mas significam primeiro passo para que você possa começar a ensaiar a sua mudança profissional.

PASSO AÇÃO
Reflexão Responda às seguintes questões:

  • Por que eu desejo mudar de empresa ou carreira?
  • Se eu tivesse que definir somente um motivo que me leva a fazer a mudança, qual seria?
  • O que eu espero encontrar na nova carreira ou trabalho?
Identificação dos pontos fortes e pontos de melhoria Conheça as competências técnicas e comportamentais que você já possui ou que precisam ser desenvolvidas para fazer a mudança profissional. 
Definição de objetivos Faça uma lista do que você deseja conquistar nessa mudança profissional. Certifique-se de declarar o seguinte:

  • Que empresas eu desejo trabalhar?
  • Que cargo ou função eu desejo desempenhar?
  • Que salário eu desejo receber?
  • Que condições ou benefícios eu desejo conquistar?
Ativação do networking Descubra quem são as pessoas que podem lhe ajudar na sua mudança profissional. Responda às seguintes questões:

  • Quais são os amigos que podem me ajudar com o networking? 
  • Quem são as pessoas de contato nas empresas que eu desejo trabalhar? Como entrar em contato com elas?
  • Quem são as pessoas que podem me indicar ou dar referências positivas sobre o meu trabalho?
Estabelecimento de prazos Estabeleça prazos e datas para começar o processo de mudança. Responda às seguintes questões:

  • Qual é o primeiro passo que eu tenho que dar para promover minha mudança profissional?
  • Quando irei dar esse primeiro passo?
  • Qual é o prazo que eu estabeleço para mim para ter essa mudança concluída?
Avaliação dos impactos Quais são os impactos (positivos e negativos) que são resultantes da sua mudança profissional? Responda às seguintes questões:

  • Estou disposto a ter uma redução no salário para realizar a minha mudança profissional?
  • Tenho suporte financeiro para uma eventual redução no salário?
  • O que a minha família pensa a respeito do meu plano?
  • Estou disposto a dedicar mais tempo para me firmar no meu novo trabalho ou carreira?
  • Do que estou disposto a abrir mão para garantir que a minha mudança profissional seja bem-sucedida?

Após fazer essa autoavaliação, torna-se possível compreender melhor as motivações profissionais e pessoais que te levam a desejar uma mudança profissional. 

Fala galera do Coachitório Online!

A matriz do planejamento da mudança de carreira é um passo essencial para dar início a um plano de transição profissional consistente e bem-sucedido. Esta percepção – que envolve desejos, motivações, objetivos, pontos fortes e de melhoria– é fundamental para que você conheça todos os fatores que envolvem esta decisão e que eventuais decisões sobre transição profissional seja tomada com consciência de suas consequências e benefícios.

Então eu quero te perguntar: quais os fatores que motivariam você hoje a iniciar um planejamento de mudança de carreira? Quero ouvir você! Compartilhe a sua resposta com a gente. Deixe a sua mensagem, sugestões e opiniões nas nossas redes sociais. Se preferir, pode escrever para fabiano@ponteaofuturo.com.br  

Tenho outro pedido: sabe aquele episódio que te marcou, aquele que você mais gostou? Pois é, compartilhe este episódio com os seus amigos nas suas redes sociais. E lembre-se também de apertar o botão para seguir o nosso podcast, pois assim a gente aumenta o número de pessoas que acompanha o Coachitório Online. 

Obrigado a você que sempre acompanha os episódios semanais do nosso podcast sobre pessoas, carreira e liderança. Para você que está chegando agora, seja bem-vindo. Eu te convido conhecer todas as temporadas do nosso podcast e também quero te convidar a conhecer a Jornada! É um processo que nós desenvolvemos para promover o seu crescimento pessoal e profissional por meio da metodologia e das ferramentas do Coaching. Tudo isso online! E o melhor de tudo: todo esse processo será conduzido pelo melhor Coach que você já conheceu: você! Conheça a Jornada e seja Coach de si mesmo! Você encontra mais informações sobre a Jornada no link que está aqui nesse post.

Encontro você no próximo episódio! Um abraço!