Que as pessoas são diferentes, já sabemos. Sabemos que as pessoas pensam e agem de forma diferente, que têm diferentes culturas, preferências e objetivos na vida.

E mesmo as pessoas que nascem, crescem e frequentam os mesmos ambientes – a mesma vizinhança, a mesma escola, a mesma profissão e até o mesmo emprego – podem apresentar significativas diferenças entre si.

Essas diferenças se manifestam por meio dos nossos comportamentos e atitudes, que representam a forma como agimos e pensamos e, principalmente, como nos relacionamos com as demais pessoas na empresa.

O mais legal de tudo isso é saber que encontramos todas essas diferenças – essas “personas” – nas empresas em que trabalhamos. E essas diferentes personas acabam inconscientemente causando alguns conflitos nas organizações.

Mas que personas são essas? Em linhas gerais, há alguns perfis são comuns de encontrar nas empresas:

  • O Executor: como o próprio nome diz, esse perfil é movido pela ação e costuma ser muito orientado ao resultado. É uma persona muito competitiva, que costuma ditar o ritmo do trabalho e tende a reclamar se as coisas não acontecem tão rapidamente quanto deseja. É comum falar o que pensa e pode, por causa disso, causar conflitos ou afetar outras pessoas;
  • O “Aparecido”: é praticamente um showman. Gosta de atrair a atenção para si, mesmo que a plateia seja composta de apenas uma pessoas. Aliás, essa persona prefere estar com mais pessoas e gosta de ser o centro das atenções. Tende a falar bastante, rir e falar alto e também costuma falar sem pensar – podendo falar muitas bobagens, inclusive. Não gosta de rotina e pode ter dificuldade de concentração;
  • O Gente Boa: é muito sociável e adora estar com as pessoas. Diferentemente do perfil anterior, não faz questão de ser notado e prefere muito mais ouvir do que ser ouvido. É compreensível e muitas pessoas vem essa persona como alguém com quem se pode conversar e até desabafar. Geralmente tem uma conversa agradável e gosta muito de semear a harmonia e um bom ambiente de trabalho;
  • O Analítico: é muito detalhista, controlado e estrategista. É muito organizado e preza pela pontualidade. Gosta de manter registros, planilhas, relatórios e tem um viés de pensamento muito mais racional do que emocional. Muitos o chamarão de chato, pois às vezes ele dirá não a determinados investimentos e verbas se a relação custo x benefício não estiver clara;
  • O Visionário: é uma pessoa muito criativa e adora dar ideias. Mas muitas vezes seu ponto fraco está justamente na execução, pois entende que dar a ideia é a parte mais importante do processo. Essa persona tem um perfil muito comunicativo e enxerga longe, muito embora tenha dificuldade para se concentrar no aqui e agora. Apresenta soluções muito criativas para problemas comuns mas pode apresentar muitas dificuldades para organizar coisas básicas do seu dia-a-dia, como a sua mesa ou a sua agenda, por exemplo.

Encontramos essas pessoas diariamente nas nossas empresas. Aliás, é provável que a gente se encaixe num desses perfis e o colega da mesa ao lado se encaixe em outro.

É isso que explica a importância do trabalho em equipe: a sinergia e a complementaridade das qualidades de cada um destes perfis. Para que essa sinergia funcione bem é fundamental que a gente entenda que o fato do nosso colega ser tão diferente de nós acaba sendo um convite para que a gente tenha paciência e empatia.

Ah, importante dizer também que apesar do famoso ditado afirmar que “os opostos se atraem”, é muito mais comum nos sentirmos mais à vontade com pessoas que têm perfis semelhantes ao nosso. Conviver com quem pensa e age de forma semelhante a nós dá menos trabalho. Só não sei se é produtivo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.