Se ganhássemos um real cada vez que ouvimos ou falamos a palavra “correria” ou “não tenho tempo”, provavelmente conseguiríamos um bom dinheiro no final do mês. Recentemente, fui a um evento e o palestrante falou incansavelmente sobre como as coisas têm mudado rapidamente.

Falou como precisamos ser cada vez mais rápidos porque senão alguém vai nos atropelar. Inclusive, falou de forma tão acelerada que tive a impressão de sair da palestra com o batimento cardíaco mais acelerado…

Fiquei pensando muito sobre aquela palestra, sobre a crescente necessidade de sermos cada vez mais rápidos. Fiz essa reflexão porque confesso que fico com uma pulga atrás da orelha cada vez que alguém fala sobre esse assunto.

Coincidentemente (se é que coincidências existem…), no dia seguinte me deparei com um texto de um livro que eu li há algum tempo. O livro, chamado “O Choque do Futuro” e escrito pelo americano Alvin Toffler, lembra que tão ou mais importante que a velocidade das mudanças é a direção.

Essa afirmação faz muito sentido para mim! E permitiu, inclusive, que eu tivesse alguns insights sobre essa necessidade de tudo ter que ser sempre tão rápido:

  • Fazer rápido não significa fazer certo: eu sou adepto da frase “feito é melhor do que perfeito”. Só que há pessoas que pensam que a velocidade é mais importante do que a qualidade. O que é feito rapidamente também tem que ser feito de forma correta, com qualidade;
  • Manter o ritmo é muito importante: muitas pessoas têm um excelente pique inicial. São muito boas nas arrancadas. Mas não conseguem manter o ritmo e, por isso, se desestimulam e desistem. Seja rápido, mas corra numa velocidade que você consiga manter;
  • Envolva outras pessoas na sua corrida: se as mudanças e a adaptação têm que ser rápidas, lembre-se que sempre haverá pessoas que poderão auxiliar na sua corrida. Não precisamos sair correndo sozinhos;
  • É preciso planejar: a velocidade com que as coisas mudam não elimina o fato de termos que fazer planos. Em minha opinião, um dos grandes erros que cometemos nos processos acelerados de mudança é abandonar o planejamento, pois, planejar demanda tempo e tempo é tudo o que as pessoas apressadas não têm.

Nada contra mudanças ou contra a velocidade com que as coisas têm acontecido. Até porque em muitos casos a velocidade não é determinada por nós. Só que a gente pode determinar como reagimos diante da correria e da pressa que nos cerca. É importante impedir que a pressa alheia gere ainda mais ansiedade em nós.

É importante também lembrar do seguinte: antes de acelerar é preciso saber se estamos indo na direção certa, caso contrário a única coisa que vai acontecer é chegarmos mais cedo no lugar errado. E ter que fazer todo caminho de volta.

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.