É uma boa pergunta, você não acha? Dá para respondê-la de diversas formas e a primeira resposta que vem à minha cabeça remete diretamente aos estudos de Charles Darwin sobre a origem e evolução das espécies. Fruto de um longo trabalho de pesquisa – que incluiu uma viagem para várias partes do mundo – e de diversos insights poderosos sobre o tema, a Teoria da Evolução das Espécies comprovou que todos os organismos vivos estão em constante evolução.

No entanto, é importante lembrar que essa “constante evolução” diz respeito a um período histórico gigantesco. Estamos falando de milhares, senão milhões de anos de processo evolutivo no qual houve perdas e ganhos para várias espécies. Para o ser humano não é diferente e para comprovarmos essa teoria basta olhar para um pequeno pedaço da nossa história para constatar quantas coisas descobrimos e inventamos nos últimos séculos. Só que essa linha do tempo é muito longa… A existência de cada indivíduo dura apenas algumas décadas, e não séculos. Assim, muitas pessoas não conseguem enxergar o quanto a humanidade evolui ao longo da sua existência.

É aí que reside o nosso principal desafio. Quando falamos da evolução do ser humano, quase sempre estamos falando a partir de uma perspectiva “de dentro para fora”. Ou seja, estamos olhando o quanto a humanidade em geral está evoluindo, o quanto as outras pessoas estão evoluindo. Assim, acabamos deixando de olhar para nós mesmos para saber se nós estamos evoluindo. E muita gente, ao fazer esse exercício, afirma categoricamente que não está evoluindo.

Eu entendo o que essas pessoas querem dizer. Muitas afirmam que estão estagnadas na vida pessoal e profissional. Afirmam que estão vivendo em uma zona de conforto e que não estão conseguindo prosperar. Outras afirmam que seu principal objetivo é a sobrevivência: manter-se empregado, com as contas em dia e com saúde – o que é uma verdadeira façanha nos dias de hoje, mas que para elas não representa uma verdadeira evolução e eu acredito que é justamente aí que está o nosso maior erro. Nós confundimos evolução com crescimento. Confundimos o ser com o ter. A evolução tem a ver com aprendizado, com ser uma pessoa melhor e exercer uma influência positiva na vida das pessoas. A evolução é um exercício diário e contínuo que, com o tempo, será perceptível para você e as outras pessoas.

Nós não paramos de evoluir. Disso eu tenho certeza. Talvez a gente pare de perceber a evolução que ocorre em nós mesmos e nas outras pessoas. Talvez a gente pare de reconhecer as oportunidades de aprendizado que estão embutidas em cada desafio ou revés que acontece em nossas vidas. Mas uma coisa é certa: a nossa evolução é tão certa e natural quanto a nossa respiração.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.