O livro que vamos falar na resenha de hoje é uma continuação do best-seller “O Monge e o Executivo”, que também já falamos aqui no nosso blog. James Hunter – o autor dos livros – conta que a inspiração para escrever sobre a continuação do seu best-seller, surgiu de uma dúvida que foi manifestada por milhares de leitores: como estariam, depois de alguns anos, os líderes que participaram do retiro descrito em “O Monge e o Executivo”? Foi por conta desta pergunta que o autor se propôs a escrever “De Volta ao Mosteiro”.

Dois anos depois do primeiro encontro, os participantes do retiro decidem se encontrar no mesmo mosteiro, novamente sob a liderança de Leonard Hoffmann, o lendário executivo que decidira encerrar a sua bem-sucedida carreira corporativa para viver enclausurado no mosteiro. A narrativa gira em torno de John, o personagem principal, que se culpa muito por não ter tido sucesso na aplicação de todos os ensinamentos que havia aprendido no primeiro retiro. De forma relutante e bastante cabisbaixo, John parte rumo ao novo retiro, certo de que era um fracassado e de que era o único a não ter melhorado durante esses dois anos.

No entanto, quando todos os participantes chegam ao retiro, uma dura realidade vem à tona: somente um dos cinco participantes conseguiu colocar em prática os princípios aprendidos no primeiro encontro. O sentimento de frustração dos demais é flagrante, mas ainda maior é a armadura que colocam em torno de si para não demonstrar (ou reconhecer) que não tiveram sucesso em aplicar tudo o que haviam aprendido.

Por sugestão dos próprios participantes, os conceitos que foram trabalhados no primeiro encontro são retomados, o que acaba causando alguns conflitos importantes entre o grupo. Surgem também conflitos internos, que levam os participantes a se questionarem sobre propósito e a sua vida pessoal, pois o livro deixa claro que a liderança é um exercício que deve ser iniciado em casa, na vida pessoal.

O livro segue uma linha instrutiva e didática muito semelhante a “O Monge e o Executivo”. As lições são apresentadas como se fossem verdadeiras aulas de liderança. Os conceitos são simples e de fácil aplicação, mas, apesar disso, fica claro também que a complexidade da liderança não reside nos conceitos, mas sim nos comportamentos e atitudes das pessoas que ocupam os cargos de liderança.

Um diferencial deste livro é que ele traz o conceito de comunidade de alto
desempenho, que consiste em um ambiente em que as pessoas tenham aprendido a aceitar a transcender suas diferenças, a resolver seus conflitos em vez de evitá-los, a assumir responsabilidade pelo grupo, a se comunicar de forma eficiente e a criar um lugar onde possam ser elas mesmas.

Acredito que o ponto alto do livro foi a habilidade e a humildade do autor em mostrar que, apesar dos ricos ensinamentos obtidos no primeiro retiro, as pessoas podem falhar na aplicação dos conceitos e no exercício da liderança. E está tudo bem! Até porque o livro deixa a entender que o desenvolvimento humano é algo a ser feito de forma constante e que a liderança é uma lição que não se aprende em dose única.

FICHA CATALOGRÁFICA:

HUNTER, James C. De volta ao mosteiro: o monge e o executivo falam de liderança e trabalho em equipe. Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.